Transferências via PIX somam R$ 17,2 trilhões em 2023

(Foto: Marcello Casal Jr. / Agência Brasil)

Valor reflete crescimento de 57,8% em comparação com as transferências realizadas em 2022; dinheiro físico em circulação tem queda.

As transferências de recursos e os pagamentos feitos através do PIX somaram R$ 17,18 trilhões no ano passado e bateram recorde. As informações são do Banco Central. O levantamento também mostra que o número de relacionamentos bancários ativos subiu e a quantidade de dinheiro em circulação teve recuo.

De acordo com o Banco Central, o crescimento das transações feitas via PIX foi de 57,8% na comparação com 2022, quando as movimentações totalizaram R$ 10,89 trilhões. E foram mais do que o triplo do volume de 2021, quando somaram R$ 5,21 trilhões.

Gráfico: Mercatus Jornal

Bancarização no país

Um dos objetivos do PIX era aumentar a digitalização das transações financeiras no Brasil e ampliar o número de pessoas com contas bancárias ou de pagamentos. De acordo com dados do Banco Central, o número de clientes pessoas físicas com “relacionamento” com o sistema financeiro subiu nos últimos anos.

Em 2020, 178,922 milhões de CPFs estavam cadastrados no sistema, volume que subiu para 182,218 milhões no fechamento de 2021 e para 188,335 milhões em 2022.

No fim do ano passado, os dados do BC mostram que 194,119 milhões de pessoas (CPFs) já tinham relacionamento bancário, ou seja, grande parte da população brasileira, estimada em 203 milhões pelo censo de 2022.

Baixa circulação de dinheiro em espécie

Na contramão do forte aumento de transações do PIX, os números oficiais do Banco Central mostram que a quantidade de dinheiro em circulação teve queda em 2023.

Ao final de 2020, ano caracterizado pela pandemia da Covid-19 com a injeção de bilhões de reais em notas no mercado para o pagamento do auxílio emergencial, R$ 371,4 bilhões estavam em circulação, volume que já recuou fortemente em 2021, para R$ 339 bilhões.

Em 2022, houve aumento e, no ano passado, uma pequena queda, em termos relativos.

Quer saber mais sobre economia? Siga a Mercatus nas redes sociais.

VEJA MAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais notícias para você